segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

O Nascimento da Lua

Num distante tempo
em meio a exuberância do tempo
uma transformação se dava
e  só as estrelas  viam.

Raios brilhavam
trovões se ouviam
e a terra amando sofria.

O mar era indomável
e a quase tudo cobria
a mãe terra,numa agonia
ora de frio,congelava,
ora de febre,ardia.

Tão distante de tudo
e com tanto calor por perto
nasciam vermelhos rios
ardentes incandescentes.

As forças se esvaiam
a natureza agia
o vento forte soprava
ela no espaço pairava
e o tempo,relativo,
não se passava.

A noite não se mostrava
sem ela, ainda era nua
assim grandioso se dava
o nascimento da Lua.

É um não estar-se presente e fazer-se presente, é o se fazer crer crendo,é o se fazer presente na crença de que realmente se está presente, embora não esteja, está, e sempre estará.

Nenhum comentário:

Postar um comentário